Idadismo e racismo em saúde - COLUNA

Atualizado: Jun 1

por Egídio Dórea


Você sabe o que é a teoria da desintegração? É um modelo que tenta explicar os desfechos desfavoráveis na saúde física e mental de uma pessoa ou grupo de pessoas devido à exposição ao estresse. Estudos posteriores que a corroboraram, mostraram que o importante seria a cronicidade e não a severidade do estresse.

Essa teoria serve para explicar os motivos pelos quais grupos minoritários que sofrem com preconceitos, estigmatização, condições inadequadas de moradia, alimentação, trabalho e acesso ao sistema de saúde terem pior estado de saúde física, mental e menores taxas de expectativa de vida.

A pandemia da COVID-19 mostrou ganhos, como a elaboração de vacinas em tempo recorde; avanços tecnológicos na telemedicina; no rastreamento de doenças. Mas ao mesmo tempo esgarçou as desigualdades que são impostas as parcelas minoritárias da nossa população, sobretudo os velhos e negros, como: maiores taxas de doença, ausência de medidas de apoio adequadas e maiores taxas de mortalidade.

Estudo recente publicado sobre a vacinação para influenza na população idosa e negra mostrou que esses grupos receberam vacinas menos potentes quando comparados aos brancos idosos. Com isso reforça-se o conhecimento de que os desfechos desfavoráveis em saúde dessa população não decorriam somente da ausência de atitudes de prevenção adequadas pelos mesmos, mas sim de um preconceito enraizado no próprio sistema de saúde, que oferece oportunidades diferentes para os seus membros, baseados em atitudes preconceituosas pela raça, gênero, nível educacional e idade.


Egídio Lima Dórea

Graduação em Medicina pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Residência e

doutorado em Nefrologia pela Universidade de São Paulo. Professor de Medicina da

Universidade São Caetano do Sul. Diretor da Aging 2.0 Chapter Brazil. Coordenador da

Universidade Aberta à Terceira Idade da USP (USP 60+). Coordenador do programa USP Rumo ao Envelhecimento Ativo. Membro da comissão de Direitos Humanos da USP. Conselheiro do International Longevity Centre Brazil.

2 visualizações0 comentário